quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Apaixonar-se pela mesma pessoa várias vezes é possível sim!!!!!

edição 214 - Novembro 2010
Paixão, amor, casamento...
Pesquisas neurocientíficas mostram que é possível sentir-se encantado pela mesma pessoa por décadas
por Suzana Herculano-Houzel

Você já se imaginou vivendo 10, 20 ou 50 anos com a mesma pessoa? Sentindo sempre o mesmo prazer em sua companhia, o mesmo conforto em seus braços? Se a perspectiva parece interessante, agradeça ao seu cérebro (e se não lhe agrada, a culpa é dele, também). De certa forma, é curioso que laços afetivos fortes, como os amorosos, sejam tão importantes para nossa espécie. Tecnicamente, viver em sociedade, ou mesmo em pares, não é obrigatório para a sobrevivência de nenhum animal – vide tantos mamíferos, aves e outros bichos que procuram um par somente para o acasalamento e imediatamente depois seguem cada um o seu caminho.

Se gostamos de formar pares a ponto de investir boa parte de nossa energia, tempo e esforços cognitivos em convencer um belo exemplar do sexo interessante de que nós somos a pessoa mais sensacional e desejável na face da Terra, é porque o sistema cerebral humano, como o de outros animais sociais, é capaz de atribuir um valor positivo incrível à companhia alheia. Isso é função do sistema de recompensa, conjunto de estruturas no centro do cérebro especializadas em detectar quando algo interessante acontece, premiar-nos com uma sensação física inconfundível de prazer e satisfação e ainda associar esse prazer com o que levou a ele – o que pode ser uma ação, uma situação, um objeto ou, alguém.

Conforme o prazer se repete na companhia dessa pessoa, o valor positivo que atribuímos a ela é reforçado (enquanto torcemos para que o mesmo aconteça no cérebro dela, associando um valor cada vez mais positivo à nossa própria companhia, claro). É o que fazemos no período de namoro, quando conversas interessantes, passeios agradáveis, boa música, boa comida e carinho oferecem prazeres que vão sendo associados à companhia do outro. Se rola sexo, então, melhor ainda: o prazer do orgasmo funciona como uma cola extraordinária para o sistema de recompensa, que atribui (corretamente!) a satisfação incrível àquela pessoa específica (mas é verdade que isso não funciona tão bem em alguns cérebros...).

Com a repetição, o sistema de recompensa vai aprendendo a ficar ativado não apenas em resposta, mas também em antecipação à presença daquela pessoa. Esse prazer antecipado é a motivação, que nos dá forças para alterar compromissos, abrir espaço na agenda e ficar acordado madrugada adentro. Essa é a paixão, estado de motivação enorme em que se faz tudo em nome de mais tempo na presença do ser amado.

Quando vira amor? Essa questão é complicada, mas existe ao menos uma definição operacional curiosa: passado o ardor da paixão, descobre-se que se ama alguém quando pensar em uma vida sem ela causa angústia sincera e profunda. O amor é esse laço que faz seu cérebro achar que sua felicidade está vinculada à presença e à felicidade do outro e que fazê-lo feliz dá novo sentido à sua vida. Nesse estado, desejar o casamento é apenas natural.

Se é para sempre? Depende de vários fatores, alguns deles fora de nosso alcance, como ser traído (e não apenas sexualmente). A boa notícia da neurociência sobre a longevidade dos relacionamentos amorosos é que eles não estão necessariamente fadados ao esgotamento: é, sim, possível se sentir apaixonado décadas a fio pela mesma pessoa. E não é mero acaso de sorte: você pode fazer sua parte. É uma questão de continuar inventando e descobrindo novos prazeres a dois. Tudo para manter o sistema de recompensa do outro interessado em você...

Suzana Herculano-Houzel é neurocientista, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Fonte: Mente e Cérebro


Para confirmar o artigo acima, onde nossos sentimentos dependem do cérebro, encontrei mais um artigo que cita sobre a paixão e o cérebro, na revista Hype Science, dei uma resumida para não ficar muito maçante a leitura, mas, espero que gostem...


Apaixonar-se é um processo cognitivo – tudo depende do seu cérebro!

Uma pesquisa recente descobriu que se apaixonar não envolve só o coração, mas também o cérebro.
Quando pesquisadores revisaram estudos sobre cérebro e amor, descobriram que 12 áreas do cérebro parecem trabalhar juntas somente quando você olha para o seu amado.
Segundo pesquisadores, os resultados obtidos confirmam que o amor tem uma base científica. A equipe descobriu que quando uma pessoa se apaixona, áreas diferentes do cérebro liberam substâncias químicas indutoras de euforia, como dopamina, ocitocina (chamada de hormônio do amor), adrenalina e vasopressina (estudos com animais revelam que essa substância causa comportamento agressivo e territorial).
Outros estudos sugeriram que os níveis sanguíneos de fator de crescimento neural (FCN), uma proteína que desempenha um papel na sobrevivência e manutenção das células do cérebro, também aumentam. Esses níveis são significativamente maiores em casais que acabaram de se apaixonar. A molécula também desempenha um papel importante na química social entre os seres humanos, como o fenômeno do amor à primeira vista.
Mas os amores não são todos iguais. Segundo os pesquisadores, diferentes partes do cérebro são ativadas para diferentes tipos de amor. Por exemplo, em um estudo sobre o amor “romântico”, os participantes mostraram atividade cerebral no chamado sistema dopaminérgico subcortical, ativo em pessoas sob o efeito de euforia.
Esse tipo de amor também parece ativar regiões do cérebro associadas com comportamentos emocionais, tais como excitação sexual. Esta conclusão apóia pesquisas anteriores que mostram que a satisfação sexual de um casal e seus sentimentos de amor estão ligados.
Outra área do cérebro envolvida com esse tipo de amor é a da imagem do corpo, ou como uma pessoa entende e imagina alguém. Os pesquisadores dizem que uma melhor imagem corporal pode levar a um melhor relacionamento.
O amor materno já é diferente. A atividade foi maior em uma região profunda no meio do cérebro chamada substância cinzenta periaquedutal (SCP), que contém receptores para o vínculo entre mãe e filho.
Outro estudo, sobre amor incondicional, pediu que os participantes olhassem fotos de crianças e adultos com deficiência intelectual. Em seguida, pediu que eles olhassem novamente para as mesmas imagens, mas desta vez gerassem sentimentos de amor incondicional. Os resultados mostraram atividade cerebral significativa em alguns dos sistemas de recompensa do cérebro (também ligados ao amor entre mãe e filho), juntamente com a região SCP ligada ao amor materno. Os pesquisadores afirmam que o amor materno e o incondicional devem ser ligados a processos similares no cérebro.
Como os pesquisadores provaram que regiões de ordem superior de pensamento do cérebro estão implicadas nesse sentimento, o amor pode ser considerado mais que uma emoção básica, pois também envolve a cognição.
A análise realizada até agora será seguida por um estudo. Assim que for liberado, os pesquisadores tentarão provar que se apaixonar leva apenas cerca de um quinto de segundo. [LiveScience]

Nenhum comentário:

Postar um comentário